Não tenho, assim como nunca tive bem ao certo, uma descrição definitiva para este blog. Criação mutante, ao sabor das ondas, dos ventos e do que der na telha, este blog é o filho pródigo, menos por suas próprias atitudes e mais pelas minhas. Vai e volta, nunca desaparece. E sempre muda um pouco. Sempre dando chance às minhas viagens e delírios, seja lá qual for a órbita. Resumidamente, em termos gerais e de forma concisa, acho que é isso aí. Leia, participe e seja feliz.

quarta-feira, maio 26, 2004

Que jornal é esse?

Leio os jornais e fica sempre a pergunta se o que eu acabei de ler é o que realmente importa. São raras as reportagens que leio que falam realmente da vida das pessoas, das coisas que acontecem e realmente impactam no cotidianos das pessoas.
Queria ter mais subsídios, na verdade, pra poder debater mais a fundo qual o verdadeiro papel do jornalismo. Mas mesmo assim, acho que a vida de um jornalista hoje é muito restrita àquilo que é produzido pelas principais agências mundinho afora. Não sinto mais que o que leio nos jornais é retrato fiel daquilo que realmente acontece no dia-a-dia mundano. Falta saber mais das pessoas que fazem, das pessoas que estão fora do circuito de celebridades da Contigo e da Caras e que realmente fazem o mundo andar. Outro dia ainda li no Estadão uma reportagem sobre um dia na vida de um "homem-tatu", que trablha nas obras do túnel sob a Faria Lima em São Paulo e cuja realização seria fazer passar pela obra, depois de pronta, sua Brasília 79. Desejo banal, mas que com certeza faz a diferença na vida desses que realmente e literalmente constroem a cidade.
Nessas horas é que me vêm a cabeça os questionamentos de um trabalhador que lê, de Bertold Brecht:

PERGUNTAS DE UM TRABALHADOR QUE LÊ
Quem construiu a Tebas de sete portas?
Nos livros estão nomes de reis.
Arrastaram eles os blocos de pedra?
E a Babilônia varias vezes destruída--
Quem a reconstruiu tanta vezes? Em que casas
Da Lima dourada moravam os construtores?
Para onde foram os pedreiros, na noite em que
a Muralha da China ficou pronta?
A grande Roma esta cheia de arcos do triunfo
Quem os ergueu? Sobre quem
Triumfaram os Cesares? A decantada Bizancio
Tinha somente palácios para os seus habitantes? Mesmo
na lendária Atlântida
Os que se afogavam gritaram por seus escravos
Na noite em que o mar a tragou.
O jovem Alexandre conquistou a Índia.
Sozinho?
César bateu os gauleses.
Não levava sequer um cozinheiro?
Filipe da Espanha chorou, quando sua Armada
Naufragou. Ninguém mais chorou?
Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
Quem venceu alem dele?

Cada pagina uma vitoria.
Quem cozinhava o banquete?
A cada dez anos um grande Homem.
Quem pagava a conta?

Tantas histórias.
Tantas questões.

**********

E depois das perguntas, fico ainda sem a resposta... Mas se vale um indício, acho que falta humanizar um pouco mais as pautas dos jornais.

terça-feira, maio 18, 2004

Suave veneno

Ah... Isso sim é que é agenda positiva: Rio está fora da disputa para organizar a Olimpíada de 2012

Pecados capitais

Tenho cachorros, gosto de cachorros mas não cometo insanidades como mandar o bichinho pruma pet-shop pra fazer escova, sair prefumado e etc e tal. Sou do tempo que os cachorros viviam por muito tempo sendo lavados com sabão de côco, alimentados com restos do almoço e assim por diante. Por essas e outras, portanto, que acho um absurdo certos gastos no cuidado com os animais, principalmente entre dondocas e criancinhas das classes AB.
Já não concordando com este tipo de consumo, hoje vi algo ainda mais escandaloso neste sentido: um restaurante em NY tem em seu cardápio uma omelete que custa a bagatela de US$ 1.000,00 (Mil Dólares Americanos). Sim... Você não leu nem entendeu errado. Uma omelete custa o equivalente a R$ 3.100,00 em Manhattan. (A conferir, no Estadão.com)
Neste caso, das duas, uma: ou eu ganho ridiculamente mal que nem consigo mais comer uma omelete num bom restaurante ou os valores, moral e ética estão todos subvertidos.
Diante das atrocidades verificadas diariamente no noticiário, fico com a segunda opção...

quarta-feira, maio 12, 2004

Limites tênues

A propósito do cancelamento do visto de trabalho no Brasil do repórter do NYT, a ONG Repórteres sem Fronteiras diz que "a medida servirá para incluir o Brasil na lista dos países que desrespeitam a liberdade de imprensa". (Vide matéria no Estadão.com)
Pois bem... Inclua-se o Brasil na lista dos paises que desrespeitam a liberdade de imprensa e que promovem o terrorismo internacional então... Se não se respeita limites jornalísticos para reportegens feitas em mesas de boteco, que não se respeite também a tolerência da tal liberdade de imprensa.
A minha opinião é que confunde-se muito liberdade de impresa com sacanagem de imprensa, tornando o repórter um beato prestes a ser santificado, mesmo diante de erros crassos como este cometido pelo Larry Rother. É a velha história: de direitos, todos estão cheios; já de deveres, a história não é bem assim.

terça-feira, maio 11, 2004

Você pode se lembrar de mim, mas os meus cabelos... Parte II

Ainda no ensejo do post anterior, a constatação de que o Governo Lula tem executado uma política econômica "capitalista na veia" com sucesso, como comprova o Estadão.com de hoje, comprova a tese de que de inesperado mesmo só podemos esperar pela desclassificção do Brasil na Copa 2006.
Fundamentos econômicos em melhor situação que aqueles deixados pelo governo declaradamente voltado aos mercados, isso só pode ser coisa inesperada. Pelo menos para aqueles que sempre duvidaram e tiveram medo de um Governo PT e seus reflexos na política econômica...

Agora, pra fechar esse assunto: quando será que os mercados deixarão de ser a principal notícia dos jornais, dando espaço para as coisas que acontecem nas vidas de pessoas comuns como eu e você? Tenho certeza que são histórias bem melhores de ser contadas que a oscilação do dólar na bolsa de valores...

Você pode se lembrar de mim, mas os meus cabelos...

Infelizmente restrito apenas aos assinantes Abril e/ou UOL, a "Carta ao Leitor" da revista Veja desta semana é uma pérola exemplar e prova cabal que os tempos e as coisas mudam. E como mudam. Jamais esperaria da Veja um comentário como este sobre o Governo Lula:
"A maneira inequívoca como o presidente se apresenta à nação como o fiador da política econômica de austeridade fiscal não pode de modo algum ser menosprezada nem colocada no mesmo prato da balança onde pesam os óbvios malogros administrativos do governo. Lula definiu com clareza seus objetivos como presidente e, com igual precisão, os caminhos para chegar até eles. Os objetivos são os da prosperidade e da paz social."
Não sei, entretanto, detectar quem mudou mais nesse tempo: se a Veja ou se o Lula. Ando com sensações ambíguas sobre este governo e por isso prefiro não me comprometer com nada que amanhã eu possa desautorizar. Mas se vale a reza, ainda acho que a esperança venceu o medo.

segunda-feira, maio 10, 2004

O filme que deu origem à camiseta

Não assisti ainda, mas devo ir esta semana ao cinema pra conferir Diários de Motocicleta, do Walter Salles. De qualquer maneira, não preciso ir ao filme pra falar de algo que infelizmente tornou-se o debate ideológico: um show de imagens e ícones que não necessariamente transmitem aquilo que seus idealizadores um dia pregaram ou lutaram.
Penso que Che deve ficar bastante triste em constatar que sua imagem hoje é muito mais algo cool que estampa camiseta de jovens rebeldes que acham que contestam o mundo só porque não tomam coca-cola e acham a guerra no Iraque um absurdo...

Bem, bem... Sou daqueles que ainda acreditam na possibilidade de um mundo mais voltado para valores humanistas, em detrimento ao materialismo e egoísmo predominantes hoje em dia. Realismos utópicos, infelizmente. Mas que essa estratégia de tornar pop aquilo que se tem por "inimigo ideológico" é realmente muito boa. Desfaz o mártir e o torna em ícone, no meio de orelhinhas de Mikey Mouse e afins. Maneira eficiente de alienar fazendo pensar que se pensa além daquilo que está estampado na capa do livro.

Ah... Inquietudes que vão e vêm e vêm e ficam.

terça-feira, maio 04, 2004

O meu guri

Antes do assunto principal, uma nota: acho que uma das únicas novidades realmente agradáveis da imprensa nos últimos tempo é a coluna "Toda Mídia" de Nelson de Sá na Folha de S.Paulo. Fontes diversas e plurais, montando um cenário que vai além das "fontes oficiais" e permite um panorama um pouco mais completo do que rola mundinho afora.

E foi lá, hoje, que lembrei de Chico Buarque e seu Guri. É que não tem como não lembrar dessa música quando uma mãe do movimento "Mães do Rio", formado por mães que perderam seus filhos na guerra entre polícia e tráfico, quando diz: Por que fizeram isso? Eu quero resposta. Porque eles não mataram bicho. Eles mataram os meus dois filhos.

Deve ser de lascar. Os dois filhos poderiam até ser traficantes da pior espécie, mas de qualquer maneira não deixam de ser vítimas de um sistema que impõe a eles a marginalização e a outros salas refrigeradass em escritórios chiques da avenida Paulista.

Enfim, enfim... Depois de ver o que essa "Mãe do Rio" disse, não tem como não lembrar do Guri do Chico... Letra abaixo:

Quando, seu moço, nasceu meu rebento
Não era o momento dele rebentar
Já foi nascendo com cara de fome
E eu não tinha nem nome pra lhe dar
Como fui levando, não sei explicar
Fui assim levando ele a me levar
E na sua meninice ele um dia me disse
Que chegava lá
Olha aí
Olha aí
Olha aí, ai o meu guri, olha aí
Olha aí, é o meu guri
E ele chega
Chega suado e veloz do batente
E traz sempre um presente pra me encabular
Tanta corrente de ouro, seu moço
Que haja pescoço pra enfiar
Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro
Chave, caderneta, terço e patuá
Um lenço e uma penca de documentos
Pra finalmente eu me identificar, olha aí
Olha aí, ai o meu guri, olha aí
Olha aí, é o meu guri
E ele chega

Chega no morro com o carregamento
Pulseira, cimento, relógio, pneu, gravador
Rezo até ele chegar cá no alto
Essa onda de assaltos tá um horror
Eu consolo ele, ele me consola
Boto ele no colo pra ele me ninar
De repente acordo, olho pro lado
E o danado já foi trabalhar, olha aí
Olha aí, ai o meu guri, olha aí
Olha aí, é o meu guri
E ele chega

Chega estampado, manchete, retrato
Com venda nos olhos, legenda e as iniciais
Eu não entendo essa gente, seu moço
Fazendo alvoroço demais
O guri no mato, acho que tá rindo
Acho que tá lindo, de papo pro ar
Desde o começo, eu não disse, seu moço
Ele disse que chegava lá
Olha aí, olha aí
Olha aí, ai o meu guri, olha aí
Olha aí, é o meu guri

quarta-feira, abril 14, 2004

Não entendo, não entendo, não entendo mesmo.

Francamente, gostaria de saber em que planeta vive o Bush. Gostaria também de saber se ele realmente acredita naquilo que diz à impresa. Desejaria, do fundo do coração, saber se ele sabe distinguir o quintal da casa dele com os países de nome esquisito que vivem atormentando a Pax Americana.
Por fim, gostaria de saber se ele vai achar uma injustiça dos deuses - ou de Alá - se um dia os States forem atacados à la 11 de setembro de 2001, depois de ser tão arrogante, insensível e ignorante, a ver por notícias como a que diz que "Bush dá apoio a Sharon"...

P.S.: Sputnik CCCP strikes again. E pra valer!

sexta-feira, outubro 17, 2003

Depois de muito tempo distante, um post. Na verdade, este é um post mais pra lembrar que este blog existe, que náo morreu, que ainda terá vida pela frente e etc e tal.
Faz tempo que não tenho um tempo tão grande de internet disponível pra mim. Por isso a matança de saudade só hoje. É verdade que eu poderia escrever alguns posts offline e só publicar depois, mas não seria a mesma coisa. A data, por exemplo, iria estar sempre defasada. Coisas que eu vivi num dia iriam ser contadas em outros. Não ia ser a mesma coisa. Perderia em espontaneidade com o blog, o que considero ruim.
Mas a vida é assim mesmo. Hoje estou em Brasília, prestes a prestar um concurso para o Ministério do Meio Ambiente. Não via tanto asfalto de uma só vez desde quando saí de SP, 12 de julho passado. Está sendo bom matar um pouco das saudades de coisas urbanas. Sinceramente não sei se nasci para viver no mato. Mesmo que esse mato seja a Chapada Diamantina, um dos lugares com certeza mais bonitos que esse Brasilzão véio de guerra tem. São dessas coisas meio estranhas que o ser humano tem. E comigo não poderia ser diferente, já que apesar dos pesares também sou ser humano...
Daqui vou para São Paulo, passo mais 4 dias lá e de lá vou pra Guará, onde fico mais 2 dias antes de voltar pro semi-árido nordestino dar aulas.
Sei lá... tenho bastante coisa pra escrever, pra falar, mas não acho que vou poder escrever tudo agora.

Àqueles que insistem em visitar este blog periodicamente, o muito obrigado. Sputnik will survive. É só questão de tempo até eu conseguir um acesso à www mais frequente e seguro lá na Chapada que eu volto a escrever com a mesma periodicidade de antes.

quarta-feira, junho 25, 2003

Centrão de SP: emoção garantida ou sua carteira de volta

Hoje fui ao PoupaTempo lá na Praça da Sé. Programinha show de bola, apesar do fato de ter acordado mais cedo que de costume e ter encarado um pão de queijo e café de ontem numa padoca qualquer.
Fiz o que tinha de ser feito e aproveitei o ensejo pra ser platéia dos malucos que ficam lá fazendo mágicas, pregando o apocalipse ou qualquer outra coisa do tipo que se encaixe entre essas outras duas atividades.
Nada mais engraçado e divertido que o povo. Chato é ver que essas coisas são só distração pra um monte de gente subempregada e que tá passando por mil problemas existenciais. Tem gente que dá pena de ver ali sentada na escadaria da Catedral...
Mas no geral, o bom humor acaba se sobressaindo. Ainda bem.

segunda-feira, junho 16, 2003

Insolitude

O insólito: o camarada reapareceu depois de 23 anos e precisou provar que estava vivo. O melhor: em tese, teria morrido de cirrose hepática, mas segundo o próprio, "Beber eu bebia, mas eu tô vivo".

sexta-feira, junho 13, 2003

Reprodução ipsis literis...

Se contar, vão achar que é mentira. Então segue abaixo a notícia publicada no Estadão.com de hoje:

Simpson disputa título de americano da História

Nova York - Nem George Washington nem Martin Luther King Jr. O favorito para ganhar o título de "maior americano de todos os tempos" é nada menos do que Homer Simpson, do desenho animado Os Simpsons, de acordo com a revista Hello. Ele tem recebido a maior parte dos votos em uma pesquisa da rede de TV britânica BBC para a realização de um programa especial de uma hora e meia de duração, What the World Thinks of America. O segundo lugar da pesquisa, até agora, ficou com o ex-presidente Abraham Lincoln. Outras surpresas da votação é que Mr. T, do seriado de TV Esquadrão Classe A, está na frente de nomes como Bob Dylan e o ex-presidente Bill Clinton.

Sensacional.
Pra ler a notícia direto do site da BBC (em inglês), clique aqui.

quinta-feira, junho 12, 2003

Palmeiras: Só me traz alegria

Estas palavras aí em cima são as que tenho num quadrinho comprado em Poços de Caldas, há algum tempo já...
Apesar do tempo, entretanto, as palavras são mais verdadeiras que nunca. Ainda mais pra pra quem, há 10 anos, gritava feito um alucinado as palavras

"É CAMPEÃO!!!!!!"


Se alguém não sabe do que eu estou falando, recordar é viver...

Pra estudar e dar aula

1º Ano
Matemática: Razões trigonométricas no triângulo retângulo, circunferências trigonométricas, números trigonométricos, transformações trigonométricas, funções trigonométricas, equações trigonométricas.
Física: Equilíbrio estático dos líquidos, temperatura, calor.

2º Ano
Matemática: Análise combinatória, probabilidade, números complexos.
Física: Ondas, acústica.

Para adultos:
Matemática: Médias, geometria.

Estes são os temas com os quais devo me envolver nos próximos meses em sala de aula, com turmas de 1º e 2º colegial e ensino para adultos. Pra quem é formado em publicidade, mais uma vez a ida para a Chapada Diamantina prova ser uma mudança e tanto. Não sei quem é que vai aprender mais nessa nistória toda: se os alunos ou o professor...

quarta-feira, junho 11, 2003

Sábios ensinamentos

Estou lendo um livro que o Polacco, camarada do trabalho, me emprestou para eu ler durante as viagens diárias de ônibus de casa pra trabalho e do trabalho pra casa. O livro, um verdadeiro guia de butecos para fígados regenerados e gastronomia para estômagos galvanizados, é do Jaguar e se chama "Confesso que bebi - Memórias de um amnésico alcóolico". Sensacional.
Além de falar do ovos coloridos e colarinhos de chopp dos mais variados, traz também ensinamentos pertinentes àqueles que sabem apreciar uma boa mesa de bar.

Duas passagens importantes na leitura possível de hoje:

"Beber é uma necessidade, saber beber é uma ciência, embriagar-se é uma infância"
Emílio Azevedo

Para sócios da Casa da Cachaça, seus mandamentos:
1. Beber até o fígado aguentar;
2. Ficar constantemente bêbado;
3. Só tomar em copo duplo;
4. Sempre que encontrar alguém bebedo, filar a maior quantidade possível;
5. Nunca deixar nada pro santo.

É... Saracura Nazareno e vamos pro próximo copo.

Receitinhas para um grande amor

Saíram perguntando aqui no trabalho sobre "que tipo de comida poderíamos sugerir no dia dos namorados" pra fazer uma matéria especial no Panelinha (site de culinária) com receitas para a data.
Nem pestanejei... Lembrei no ato do decálogo com mais de 10 mandamentos "Para viver um grande amor" de Vinícius de Moraes. E não é que o pessoal decidiu usar mesmo este texto como pauta para a matéria?
Ficou bacana... bem legal mesmo. Vale como dica pra quem tá meio apertado ou quer simplesmente fazer um jantarzinho mais íntimo no dia de amanhã...

segunda-feira, junho 09, 2003

Eu amo a Receita Federal

Show!!!!! Restituição do IR já no primeiro lote é sensacional.

segunda-feira, junho 02, 2003

Pensamento do dia para muitos dias

Vale a pena buscar a perfeição? Talvez.
Ela está no horizonte... Me aproximo dois passos e ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos para mais adiante. Por mais que eu caminhe, nunca a alcançarei. Para que serve a utopia? Para isso é que ela serve: para caminhar.
Eduardo Galeano

terça-feira, maio 20, 2003

Limiar da cara de pau com a sinceridade

Sem comentários. Ou melhor: com os comentários do cara que está querendo vender sua filmadora. Uma filmadora mais ou menos assim:
FILMADORA SONY
CCD-SC7 NTSC HI8

ACOMPANHA:
FONTE
CABOS
CAPA EMBORRACHADA
CONTROLE REMOTO

POSSUE (SIC) UM PEQUENO DEFEITO:
ELA CAIU NO CHÃO E O VISOR SAIU DA TRAJETÓRIA POR ISSO NÃO ESTÁ FILMANDO MAIS FORA ISSO FUNCIONA TUDO.


Ah bom... se é assim, então tá tudo bem.